Os tradutores erraram? ראה em Gênesis 22.8 e 14

Tradução é um trabalho difícil. No processo de tradução, é necessário ter duas estruturas linguísticas ativadas ao mesmo tempo em sua mente – a estrutura da língua-fonte e a estrutura da língua-alvo. Além do mais, nesse processo, os melhores tradutores conseguirão traduzir não somente vocábulos sinônimos da língua-fonte, mas conseguirão transmitir também as nuances da pessoa que está falando. Por exemplo, qual é a melhor tradução de “what’s up” em inglês para o português? Seria “tudo bem”? “fala mano”? “oi”? Claro que nunca “o que está para cima?”! No caso, as primeiras poderiam ser traduções viáveis, mas nem todas transmitem a nuance correta do seu contexto. É por isso que léxicos, dicionários bilíngues, ou softwares nunca serão capazes de fazer uma tradução “perfeita”. É por isso também que nós buscamos aprender o hebraico bíblico; isso é, para compreender algumas pequenas nuances que poderão passar desapercebidas apenas ao ler uma tradução ou Bíblia interlinear.

Quero falar hoje sobre um texto que apresenta certas dificuldades na sua tradução e explicar 1) porque os tradutores das nossas bíblias em português tomaram as decisões que tomaram e 2) como o conhecimento da língua-fonte do texto bíblico (no caso de hoje, o hebraico) pode aprofundar nossa apreciação de certas palavras em Gênesis 22.

Continuar lendo “Os tradutores erraram? ראה em Gênesis 22.8 e 14”

Referência a Participantes (parte 1)

AVISO: nosso post hoje será bem mais especializado e acadêmico (leia-se chato!). A razão disso é que estou trabalhando com a interpretação de Isaías 66.18-21 para parte da minha tese, e decidi publicar uma postagem sobre esse texto. Falhei esse alvo (terei que escrever a parte 2 do post outro dia), mas espero que esse post sirva como uma boa introdução à referência a participantes. Como sempre, comentem abaixo ou no nosso fórum no Facebook se você tiver perguntas ou críticas!

Continuar lendo “Referência a Participantes (parte 1)”

Novo Vídeo de Hebraico: Aplicação do Coortativo

Algum tempo atrás, recebi um e-mail de um leitor pedindo mais vídeos como a pequena aplicação do alfabeto hebraico que fiz logo na primeira unidade. Achei uma ótima ideia, e tentarei criar um vídeo assim por unidade. Decidi fazer os vídeos para acompanhar o estudo dos alunos do curso de hebraico bíblico do Mackenzie. Assim, não começarei na Unidade 2, mas na Unidade 13, e mais tarde voltarei às unidades anteriores.

O vídeo abaixo foi criado basicamente para mostrar a relevância de se aprender e compreender os volitivos (especialmente o coortativo) por si sós, quero dizer em hebraico, e não em função de uma tradução ao português.

Qual é o nome de Deus? (Parte 2a)

Talvez quando você aprendeu sobre o verbo imperfeito em hebraico, teu professor te disse, “Em geral, traduza o verbo imperfeito como um verbo futuro”. Aliás, muitas gramáticas chamam o imperfeito de “futuro”. Realmente, a grande maioria dos verbos imperfeitos em hebraico são verbos que expressam uma noção de tempo futuro, embora seja possível que expresse também um tempo presente ou passado. No entanto, independentemente do tempo do imperfeito, ele normalmente expressará um aspecto … bom, imperfeito. Isso quer dizer que o verbo imperfeito expressará uma ação que é incompleta. Em português, por exemplo, temos as conjugações “pretérito perfeito” e “pretérito imperfeito”,  não é? Veja só abaixo:

  • Pretérito perfeito: “Naquele dia, fomos à praia pela primeira vez.”
  • Pretérito imperfeito: “Naqueles dias, íamos à praia todos os dias.”

Da mesma forma, o verbo imperfeito em hebraico geralmente expressa uma ação contínua, não uma ação determinada.

O que acontece então, quando nossas bíblias traduzem Êxodo 3.14 das maneiras que vemos abaixo?

‎ וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים אֶל־מֹשֶׁה אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה וַיֹּאמֶר כֹּה תֹאמַר לִבְנֵי יִשְׂרָאֵל אֶהְיֶה שְׁלָחַנִי אֲלֵיכֶם׃

  • E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. (Almeida Revista e Corrigida)
  • Disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós outros. (Almeida Revista e Atualizada)
  • Deus disse: Eu Sou Quem Sou. E disse ainda: — Você dirá o seguinte: “Eu Sou me enviou a vocês”. (Nova Tradução na Linguagem de Hoje)

  • Então afirmou Deus a Moisés: “Eu Sou o que Sou. E deveis dizer aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós outros!” (King James Atualizada)
  • Disse Deus a Moisés: “Eu Sou o que Sou. É isto que você dirá aos israelitas: Eu Sou me enviou a vocês”. (Nova Versão Internacional)

  • Deus disse então a Moisés: “EU SOU AQUELE QUE É. E dirás também aos israelitas: “AQUELE QUE É foi quem me enviou a vocês.” (A Bíblia para Todos)

Note que nenhuma das traduções existentes em portugês traduzem o hebraico como “Serei quem Serei”. Por quê?

Exod3.14_CodexLeningradensis
Êxodo 3.14 no Codex Leningradensis

Continuar lendo “Qual é o nome de Deus? (Parte 2a)”

Há algo de errado com as traduções que temos?

Ok. Acho bom já de início desmistificar a importância das linguagens bíblicas. O hebraico não é, contrário a rabinos judaicos medievais (Gênesis Rabá 38.4), a língua de Adão ou língua de Deus, utilizada para criar o mundo. Não existe uma sacrosanticidade nem do hebraico nem do grego. Deus poderia ter utilizado swahili, mandarim ou tupi-guarani tão bem quanto utilizou hebraico e grego.

Não obstante, Deus escolheu utilizar o hebraico porque essa era a língua dos judeus. Ele utilizou o grego porque essa era a língua franca nos tempos de Cristo. As línguas originais da Bíblia são escolhas de Deus ao intervir no tempo e no espaço da humanidade. Isto é: a Bíblia foi escrita em hebraico e grego (ah! e, é claro, aramaico!) porque Deus se acomodou, se adaptou, ao modo de falar da sua audiência em um tempo e geografia específicos.

Ótimo, legal, beleza, mas… se a Palavra de Deus foi escrita em linguagens contemporâneas, que hoje não utilizamos, qual é o problema com as traduções?

Continuar lendo “Há algo de errado com as traduções que temos?”