Minha jornada acadêmica: como Deus me guiou até aqui

OBS: Esse post tem pouquíssimo a ver com o hebraico em si, mas espero que sirva de encorajamento a outros alunos pelo Brasil afora.

Você já reparou quantas caveiras estão dispersas pelos retratos de acadêmicos da era medieval e da renascença? Essas caveiras são parte de um estilo artístico chamado vanitas, baseado na realidade efêmera da vida (חסד) exposta em Eclesiastes.

PierFrancescoCittadini_Vanitas

 

Continuar lendo “Minha jornada acadêmica: como Deus me guiou até aqui”

Como aumento minha fluência em hebraico?

Você se lembra dos desenhos que fazia quando era criança? Era sempre difícil fazer aquela linha reta, ou aquele círculo perfeito, não é? Talvez alguns de vocês hoje digam, “ainda é, Danillo!” Bom, eu acho muito interessante ver os desenhos dos meus filhos e tentar lembrar como era desenhar quando eu era criança.

meninogiz
O “menino” que meu filho desenhou com giz

É sempre bom ver o quanto já crescemos, não é? Não engatinhamos mais, conseguimos falar direito, desenhar direito (pelo menos alguns de nós!), escrever (mais ou menos) direito, etc. O problema é que muitas vezes esquecemos que, ao aprender uma língua, precisamos passar pelo mesmo processo. Assim, esquecemos que, para alcançar fluência na nossa leitura de hebraico bíblico, são necessários anos de prática e uso da língua. Esse esquecimento leva à frustração por ter aprendido o alfabeto mas não conseguir ler tudo. Outras vezes, ficamos frustrados por terminar o primeiro ano e aprender toda a gramática da língua e não conseguir abrir nossas bíblias hebraicas em qualquer lugar e entender o que está escrito ali.

A pergunta do post de hoje é: como alcanço maior fluência em hebraico? Como avanço daqueles rabiscos de criança a um desenho bem formado, ou pelo menos com todos os membros no lugar certo?

Continuar lendo “Como aumento minha fluência em hebraico?”

Estudo Léxico: הלך no Hithpael

Então, você já manja o hebraico bíblico básico, já conhece os troncos e conjugações verbais, consegue fazer uma boa análise verbal e até comprou o BibleWorks, Logos ou adquiriu outro software bíblico. E agora? O que faz com isso? Como pôr o hebraico em prática? Afinal, de que vale todo o conhecimento do hebraico se não podemos pô-lo em prática?

hebraicoelementar

Em um post anterior, eu disse que desenvolveria algumas ferramentas linguísticas e da análise do discurso. Bom, demorei, mas cheguei!

Continuar lendo “Estudo Léxico: הלך no Hithpael”

Como usar o BibleWorks: buscas morfológicas

Existem vários softwares bíblicos muito úteis por aí. Dois dos principais softwares em uso no Brasil são BibleWorks e Logos. Como o Logos já tem várias dicas em vídeos e no seu blog em português aqui, achei que seria bom explicar algumas coisas básicas sobre o BibleWorks. (Aliás, o BibleWorks também tem vários vídeos explicativos, mas estão em inglês. Clique aqui para vê-los.)

BW10

Assim, hoje quero explicar como fazer uma busca morfológica simples no BibleWorks 10.

Continuar lendo “Como usar o BibleWorks: buscas morfológicas”

A História do Hebraico Bíblico: podemos confiar na cronologia bíblica?

Existem certas expressões em português que simplesmente não ouvimos mais. Talvez você conheça ou até já usou as seguintes frases, mas sabe que não fazem parte do nosso vocabulário:

  • Aquele homem é um pão!
  • Xispa, fora!
  • Só agora que a ficha caiu!

A experiência de uma ficha não entrar no telefone público é algo que simplesmente não existe mais, e a expressão que depende desse evento também caiu em desuso. Mas não são apenas avanços tecnológicos que mudam nossas expressões. Linguagens são fluidas, sempre mudando a cada geração, de tal maneira que, se conseguíssemos entrar numa máquina do tempo, seria difícil nos acostumarmos ao português quando se usava “Vossa Mercê” em vez de “você”! Linguagens mudam rapidamente.

FichaIsraelita.jpg
Uma ficha de telefone do Estado de Israel no ano 1966. Você consegue decifrar a palavra na frente da ficha (טלפון)? Escreva abaixo nos comentários se você descobriu!

Continuar lendo “A História do Hebraico Bíblico: podemos confiar na cronologia bíblica?”

Como escrever em hebraico cursivo!

Você sabia que o hebraico moderno tem uma escrita cursiva? Pois é! No seminário, aprendemos a escrita quadrática, isto é, a escrita que escribas antigos utilizavam, com algumas pequenas mudanças para adequá-la aos novos implementos que usamos (isso é, caneta e/ou lápis em vez de um estilete de borda larga). Mas sabe o quê? A escrita cursiva é mais fácil de se escrever!

Assim, hoje quero te ensinar como escrever hebraico em cursivo.

HebraicoEscriba.jpg
Escriba re-escrevendo um pergaminho em hebraico para mantê-lo kosher. Note que é necessário ter um estilete de borda larga como esse acima para escrever a forma quadrática corretamente.

Continuar lendo “Como escrever em hebraico cursivo!”

Vocabulário: afinal das contas, como aprendo esse treco?! (8 dicas para aprender e reter vocabulário)

Acho que o título já explica o tema do nosso post hoje, não é? O aprendizado de outra língua depende quase que unicamente do nosso aprendizado e principalmente nossa retenção de novas palavras na mesma. Em outras palavras, não importa quão bem uma pessoa domina a gramática da língua se ela não consegue aplicar essa gramática a várias situações (frases, parágrafos, e demais textos).

Gingko Biloba – aparentemente, a planta pode ajudar a retenção da memória. Porém, não creio que existe comprovação científica para sustentar essa afirmação. Certamente uma das minhas 8 dicas não será “tome gingko biloba”!

Continuar lendo “Vocabulário: afinal das contas, como aprendo esse treco?! (8 dicas para aprender e reter vocabulário)”

A História do Hebraico Bíblico: como o hebraico revolucionou a história da escrita

Você já leu Os Lusíadas? Eu mesmo não sei se li toda a epopeia, mas me lembro de ler um pouco da obra quando estava no ensino médio e de me perguntar, “isso é português?!” Veja só duas estrofes da segunda edição do texto de 1572 na foto abaixo:

OsLusíadasEstrofes6a7.png
Os Lusíadas, primeira edição de 1572, que pode ser acessada aqui.

É claro que grande parte da dificuldade de se compreender o texto é porque ele foi escrito em uma forma poética, seguindo certo esquema de métrica e rima, etc. Contudo, a dificuldade de se compreender esse texto não é somente de gênero literário, mas também linguístico – o português de 1572 não é o mesmo de 2017. A escrita é diferente (por exemplo, não escrevemos “uma” mais como “hũa”), a gramática também foi alterada em certos aspectos, e até certos vocábulos foram adicionados e outros removidos do “banco de dados” do português. E isso em pouco menos de 450 anos de história da língua.

Imagina então a dificuldade de compreender e explicar a história de uma língua que possui, no mínimo, 3000 anos! Pois é isso mesmo que tentarei fazer neste e nos próximos posts sobre a história do hebraico bíblico. Vamos lá?

Continuar lendo “A História do Hebraico Bíblico: como o hebraico revolucionou a história da escrita”