De volta à terra dos vivos… e um pequeno estudo da palavra פֶּרֶשׁ

ELE ESTÁ VIVO!”
Frankenstein (1931)

Oi Pessoal!
Voltei à vida do blog! Sumi da internet por alguns meses por causa de várias coisas. Fizemos uma mudança internacional, minha filha teve um problema sério de saúde (graças a Deus ela está bem agora, mas ainda precisa de acompanhamento médico regular), começei um emprego novo (na verdade, três!), e, além de vários outros compromissos, resta-me ainda escrever um último capítulo para minha tese de doutorado. Portanto, espero que compreendam a queda em produção (ou ausência da mesma) nesses últimos meses!

Enfim… era só isso mesmo que eu queria dizer. Mas para não te deixar sem nenhum gostinho de “hebraico”, vai aqui um pedacinho de conhecimento hebraico com o qual me deparei alguns dias atrás…

Continuar lendo “De volta à terra dos vivos… e um pequeno estudo da palavra פֶּרֶשׁ”

Como usar o hebraico para preparar um sermão, parte 1

Você já teve uma fratura exposta? Já viu em outra pessoa? Aposto que naquele momento, ninguém parou para observar a beleza branca do osso exposto, nem para admirar a elegância da estrutura óssea, muito menos para ponderar a perfeição do esqueleto humano. Naquela hora, talvez alguns desmaiaram, outros ligaram para o hospital, certamente alguém gritou, mas ninguém disse, “que osso bonito você tem!”.

Só de ver isso já me dá arrepios!

Da mesma forma, como já enfatizei nos posts anteriores desta série, o hebraico deveria ficar escondido, por trás da superfície e do corpo do sermão que você apresentará à sua congregação. Assim como o esqueleto serve como uma estrutura sólida sobre a qual os músculos, órgãos e pele se ajeitam, o hebraico e grego formam o suporte de todo o seu sermão. Mas não permita que esse esqueleto seja exposto à congregação!

Contudo, precisamos sim de um esqueleto, e um esqueleto forte, sobre o qual carregaremos o peso das palavras de Deus à congregação. Assim, no post de hoje, quero desenvolver algumas dicas de como usar o hebraico na preparação de um sermão.

Continuar lendo “Como usar o hebraico para preparar um sermão, parte 1”

Incongruência na Bíblia? Êxodo 6.3 e o nome de Deus

Nosso post hoje tem uma inclinação apologética. Sempre existem e sempre existirão perguntas que os cristãos devem responder tanto para sanar suas próprias dúvidas quanto para defender sua fé diante daqueles que a confrontam. A pergunta que responderei hoje diz respeito a possíveis incongruências na Bíblia. Ela veio a mim indiretamente por um muçulmano que queria demonstrar que a Bíblia não é inspirada.

Vejam a pergunta e resposta abaixo:

Jefferson Bible

Página 65 da Bíblia de Thomas Jefferson. Ele extraía palavras e versículos que considerava incorretos (inclusive referências ao sobrenatural, milagres, a ressureição, etc).

Continuar lendo “Incongruência na Bíblia? Êxodo 6.3 e o nome de Deus”

Estudo Léxico: הלך no Hithpael

Então, você já manja o hebraico bíblico básico, já conhece os troncos e conjugações verbais, consegue fazer uma boa análise verbal e até comprou o BibleWorks, Logos ou adquiriu outro software bíblico. E agora? O que faz com isso? Como pôr o hebraico em prática? Afinal, de que vale todo o conhecimento do hebraico se não podemos pô-lo em prática?

hebraicoelementar

Em um post anterior, eu disse que desenvolveria algumas ferramentas linguísticas e da análise do discurso. Bom, demorei, mas cheguei!

Continuar lendo “Estudo Léxico: הלך no Hithpael”

Hebraico e Cultura: Línguas semíticas e mentalidade semítica?

Nunca me esquecerei do choque cultural que tive ao ser convidado a um BBQ (“barbecue”, ou churrasco) americano. Já estava morando nos Estados Unidos um bom tempo, e um presbítero da minha igreja me convidou à sua casa para o tal “churrasco”. Ao chegar em sua casa, conversei com algumas pessoas e logo o presbítero, sabendo que eu era brasileiro e que sabemos de churrasco, me chamou para mostrar a carne que ele havia preparado:

Continuar lendo “Hebraico e Cultura: Línguas semíticas e mentalidade semítica?”

Como NÃO usar o hebraico no sermão, parte 1

Tenho um filho de três anos de idade que adora estórias. Uma de suas estórias favoritas é a de Chicken Little. Aliás, refiro-me à fábula de Chicken Little, não o filme (que tem pouco a ver com a fábula original). Nessa estória, uma bolota cai de uma árvore na cabeça de Chicken Little, que imediatamente corre a todos os outros pássaros que ele conhece e diz, “O céu está caindo! O céu está caindo!” Sua empolgação acaba incitando todos os outros pássaros ao pânico – é o fim do mundo! No seu pânico, os pássaros deparam com uma raposa astuta, que os leva à sua casa com promessas de segurança, onde sua família está pronta para o banquete!

Moral da estória: uma empolgação equivocada pode matar!

IMG_3351
Tem pouca coisa melhor no mundo do que os filhos sentarem no seu colo para ouvir uma estória!

De forma semelhante à empolgação de Chicken Little, é fácil ficar tão empolgado com o hebraico (ou com noções erradas do hebraico) que levamos nossas congregações a erros graves na sua caminhada com Cristo.

Continuar lendo “Como NÃO usar o hebraico no sermão, parte 1”

Qual é o nome de Deus? (Parte 2a)

Talvez quando você aprendeu sobre o verbo imperfeito em hebraico, teu professor te disse, “Em geral, traduza o verbo imperfeito como um verbo futuro”. Aliás, muitas gramáticas chamam o imperfeito de “futuro”. Realmente, a grande maioria dos verbos imperfeitos em hebraico são verbos que expressam uma noção de tempo futuro, embora seja possível que expresse também um tempo presente ou passado. No entanto, independentemente do tempo do imperfeito, ele normalmente expressará um aspecto … bom, imperfeito. Isso quer dizer que o verbo imperfeito expressará uma ação que é incompleta. Em português, por exemplo, temos as conjugações “pretérito perfeito” e “pretérito imperfeito”,  não é? Veja só abaixo:

  • Pretérito perfeito: “Naquele dia, fomos à praia pela primeira vez.”
  • Pretérito imperfeito: “Naqueles dias, íamos à praia todos os dias.”

Da mesma forma, o verbo imperfeito em hebraico geralmente expressa uma ação contínua, não uma ação determinada.

O que acontece então, quando nossas bíblias traduzem Êxodo 3.14 das maneiras que vemos abaixo?

‎ וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים אֶל־מֹשֶׁה אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה וַיֹּאמֶר כֹּה תֹאמַר לִבְנֵי יִשְׂרָאֵל אֶהְיֶה שְׁלָחַנִי אֲלֵיכֶם׃

  • E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. (Almeida Revista e Corrigida)
  • Disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós outros. (Almeida Revista e Atualizada)
  • Deus disse: Eu Sou Quem Sou. E disse ainda: — Você dirá o seguinte: “Eu Sou me enviou a vocês”. (Nova Tradução na Linguagem de Hoje)

  • Então afirmou Deus a Moisés: “Eu Sou o que Sou. E deveis dizer aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós outros!” (King James Atualizada)
  • Disse Deus a Moisés: “Eu Sou o que Sou. É isto que você dirá aos israelitas: Eu Sou me enviou a vocês”. (Nova Versão Internacional)

  • Deus disse então a Moisés: “EU SOU AQUELE QUE É. E dirás também aos israelitas: “AQUELE QUE É foi quem me enviou a vocês.” (A Bíblia para Todos)

Note que nenhuma das traduções existentes em portugês traduzem o hebraico como “Serei quem Serei”. Por quê?

Exod3.14_CodexLeningradensis
Êxodo 3.14 no Codex Leningradensis

Continuar lendo “Qual é o nome de Deus? (Parte 2a)”

Qual é o nome de Deus? (Parte 1)

Meus amigos e minha família sabem que tenho um gosto para música um tanto quanto… peculiar. Para os propósitos deste post, uma música em particular me vem à mente – Ya Hey, do álbum Modern Vampires of the City (em minha defesa, esse álbum ganhou um Grammy em 2014!). A canção e na verdade todo o álbum diz respeito às dúvidas em se acreditar em Deus. O tom da música é agnóstico com tendências ateístas, mas mesmo assim, o cantor toma os “devidos cuidados”, como se dissesse, “se Deus existe mesmo, não quero que ele me castigue por minha blasfêmia”. Um exemplo disso é que ele toma cuidado em dizer “Ya Hey” em vez de dizer “Yahweh”, que seria uma pronúncia do nome de Deus e possivelmente uma quebra do terceiro mandamento.

ModernVampiresoftheCity
Fotografia da poluição em Nova Iorque em 1966 que foi utilizada para a capa do álbum Modern Vampires of the City

Mas afinal de contas, de onde vem essa pronúncia – “Yahweh” – e por que não vemos esse nome de Deus nas nossas bíblias?

Continuar lendo “Qual é o nome de Deus? (Parte 1)”

O Hebraico Bíblico e a Semântica

Um bom tempo atrás ouvi uma piada que não me lembro (quando alguém começa assim, nota-se que essa pessoa é uma péssima contadora de piadas, não?). Mas o cerne da piada – deve ter sido piada de mineiro – se desenvolvia da seguinte maneira: uma pessoa perguntava à outra “Pó pô pó?” ao qual a outra respondia “Pó pô!” Como já estabeleci que sou um péssimo contador de piadas, e já que também nem contei toda a piada, vou quebrar a única regra inviolável ao se contar uma piada – vou explicá-la: “Pó pô pó?” nesse caso, é uma pergunta no português coloquial de algumas regiões no Brasil, que significa “Pode por o pó (café)?” ao qual a outra pessoa responde “Pode por”.

po

Continuar lendo “O Hebraico Bíblico e a Semântica”